Mais Médicos: 15% dos médicos brasileiros que substituíram os cubanos em 2019 já desistiram do programa
desistencia_maismedicos_CAPA

15/04/2019 - 1.052 brasileiros que substituíram médicos cubanos desistiram do programa Mais Médicos desde janeiro. Entenda aqui o que está acontecendo.

Em novembro de 2018, muitos médicos cubanos deixaram o programa Mais Médicos devido às novas medidas implementadas pelo atual governo. Com o fim da parceria entre Brasil e Cuba, o Ministério da Saúde resolveu abrir novos editais para que médicos brasileiros preenchessem as mais de 8 mil vagas. Contudo, 15% dos médicos inscritos nesses editais já desistiram do programa.

Muitos não se adequaram ao trabalho e preferiram concluir a Residência Médica em outros locais. Agora, há um desfalque nas Unidades Básicas de Saúde e um aumento perigoso na deficiência do atendimento público em diversos municípios do país.

 

O QUE É O PROGRAMA MAIS MÉDICOS

O programa Mais Médicos foi criado em 2013 com o propósito de ampliar a assistência na Atenção Básica, suprindo a carência de médicos nos municípios do interior e nas periferias das grandes cidades. Atualmente, o programa atende cerca de 63 milhões de cidadãos.

Conheça também o programa Médico Sem Fronteiras.

 

O QUE ACONTECEU

Durante sua campanha em 2018, Bolsonaro levantou críticas sobre as atitudes do governo cubano no programa e a falta de necessidade da revalidação do diploma dos médicos estrangeiros. Além disso, Bolsonaro declarou que, se eleito, “expulsaria” os médicos cubanos com base na prova do Revalida –que, inclusive, sempre foi obrigatória para os brasileiros formados em Medicina no exterior.

“Para qualquer estrangeiro, vindo trabalhar aqui na área de Medicina, tem que se aplicar o Revalida. Isso em qualquer país do mundo. Nós não podemos botar gente de Cuba aqui sem o mínimo de comprovação que eles realmente saibam o exercício da profissão.” disse Bolsonaro.

 
 

FIM DA PARCERIA COM CUBA E ABERTURA DE EDITAIS

Depois dos comentários do presidente brasileiro, Cuba optou por sair do programa e recolher seus enviados. Foram 8.517 vagas deixadas pelos médicos cubanos. Para preenchê-las o governo publicou 2 editais exclusivamente para médicos brasileiros. Essas vagas foram destinadas a 2.824 municípios e 34 distritos indígenas, com salário de R$ 11,8 mil.

Se você não viu, a gente te explica como funcionou os últimos editais do Programa Mais Médicos. Se precisar também a gente te conta quais são as carreiras mais bem pagas da Medicina

 

CRONOLOGIA DOS FATOS

  • Novembro de 2018 - Cuba deixa o programa Mais Médicos;

  • Novembro de 2018 - Governo brasileiro abre o primeiro edital com 8.517 vagas para médicos com CRM nacional. Apenas 7.120 são preenchidas;

  • Dezembro de 2018 - As 1.397 vagas restantes da primeira chamada são ofertadas em um segundo edital, exclusivamente para os brasileiros formados no exterior;

  • Janeiro de 2019 - Médicos brasileiros começam a se apresentar aos municípios;

  • Março de 2019 -  Médicos formados no exterior se apresentam aos municípios.

Será que vale a pena cursar Medicina no exterior? Conheça histórias que podem te dar uma ideia!

 

DESISTÊNCIA DOS MÉDICOS BRASILEIROS

Segundo a Folha de São Paulo, o Ministério da Saúde já registrou 1.052 desistências das vagas preenchidas desde o final do ano passado. O número corresponde a 15% dos médicos brasileiros contratados para substituírem os cubanos.

A causa das desistências variam, porém principais motivos relatados foram: a aprovação dos profissionais em outros programas de Residência Médica; alistamento militar obrigatório; e a não adaptação ao programa.

 

REGIÕES COM MAIS DESISTÊNCIA

São mais de 4 mil municípios e 34 Distritos Sanitários Especiais Indígenas (DSEIs) que carecem do atendimento à saúde no país. O Estado da Bahia foi um dos mais prejudicados com 117 médicos desistentes. Em São Paulo as saídas já atingiram 90 municípios, sendo Araçatuba a cidade mais afetada.

MAIS MUDANÇAS

O ministro da Saúde, Luiz Mandetta, anunciou algumas mudanças no programa em uma audiência realizada no dia 27 de março, na Comissão de Assuntos Sociais (CAS). Entre elas, foi apresentado um novo organograma da rede de Saúde Indígena, onde se decidiu que essas populações serão atendidas dentro da Secretaria de Atenção Primária. 

Confira algumas mudanças que também aconteceram nas Residências Médicas:

 

O PROGRAMA MAIS MÉDICOS VAI ACABAR?

A nova proposta do governo é substituir o programa Mais Médicos por um Plano de Carreira Federal, que promete tornar algumas regiões do Brasil mais atrativas aos profissionais. Contudo, a proposta do projeto ainda está sendo estudada e não possui uma data prevista para ser encaminhada ao Congresso. 

A secretária de Gestão no Trabalho e Educação na Saúde Mayra Pinheiro afirmou que não serão mais abertos editais do Mais Médicos: “Todas as vagas do atual edital foram completadas por brasileiros inscritos. Esse deverá ser o último edital do programa, que será substituído pela carreira federal em áreas de difícil provimento e que está em elaboração”, afirmou Mayra para a Confederação Nacional dos Trabalhadores na Saúde.

 

MESMO ASSIM: Todos os profissionais que atuam no programa permanecerão até o final do contrato, que tem duração de 3 anos.

 

A SITUAÇÃO DOS MÉDICOS CUBANOS

Embora muitos cubanos tenham voltado para o seu país, cerca de 2.000 mil médicos ainda estão no Brasil. Aqueles que optaram por permanecer estão em condição de exílio e aguardam a proposta do governo brasileiro para realocá-los legalmente. 

 

A PERSPECTIVA TANGÍVEL

Programas como o Mais Médicos são fundamentais para ampliar o atendimento médico básico no país. Embora o cenário da saúde pública seja precário em regiões menos acessíveis, as autoridades estão se articulando para solucionar os problemas, como o rompimento da parceria com Cuba.

Aliás, confira as mudanças do Novo Código de Ética Médica.

E você, o que acha desses programas de fomento a assistência médica em regiões mais carentes? Participaria se pudesse? Comenta aqui pra gente ouvir o que vocês pensam!

 

comaprtilhar 0 0 881
CONTEÚDO EXCLUSIVO GRATUITO